Do Sentimentalismo para a Gloria

Facto: amanhã Júpiter entra em Leão, onde vai viajar durante um ano.
Dica: Ide lá ao armário buscar a capa do super-herói que ficou a ganhar bolor nos últimos 12 anos e exibe-te para todos verem quão digno de admiração és.

Pois é, a segunda metade de 2014 vai ser muito diferente dos quase 7 meses que já passaram. Há uma data de mudanças “lá em cima” e por sinal, “cá em baixo” também, mas não vale a pena estar a gastar cartuchos com isso agora, porque estaria a roubar protagonismo à chegada de Júpiter a Leão, onde promete dar uma ajuda infatigável, leia-se uma injecção de rasgo, criatividade e ousadia, na revelação do herói que em nós habita.

Trocando por miúdos, do astrologês para o português, celebra-se a transição do sentimentalismo para a exuberância, da necessidade de protecção para a necessidade de reconhecimento, do fluir para a ignição, da birra e do vaipe para a honra e admiração.


Vai ser uma festa … claro está à medida de cada um, do que merecemos e somos capazes.

GOSTO DE NOS PENSAR ASSIM














Como o barro, matéria orgânica, macia e moldável.
Como a mão, testemunho da nossa capacidade de sermos simultaneamente, o agente criador e o objecto criado.
Como a mesa giratória, em constante movimento, porque a vida não para nem espera por ninguém.

Produto em execução, eternamente inacabado e ternamente trabalhado, a precisar da nossa firmeza, vontade e engenho. Com o privilegio de poder participar, com o meu trabalho, na missão gloriosa que em todos nós fala mais alto; de nos aperfeiçoarmos, de sermos únicos e (ainda) assim dignos de admiração.

RASGAR HORIZONTES

Acredito no poder das nossas crenças e convicções. 
Acredito que os livros, os filmes, as viagens e as gentes de outras paragens têm a capacidade de nos fazer avançar para alem daquilo que ontem eram as nossas convicções e o nosso quadro de valores. 


Alargam-nos, ampliam-nos, aumentam-nos, engrandecem-nos, fazem-nos acreditar que a Vida pode ser mais do que um somatório de historias passadas enquadradas por aquilo que acreditávamos ser possível e admissível.
Permita-se ser mais do que foi até ontem, acreditar em algo diferente do tem cimentado o seu caminho, ousar contagiar-se pelo ainda não sonhado. Viaje física, mental, emocional ou espiritualmente. 

Não volta a mesma pessoa.

DOBRAR O CABO DA INTENÇÃO

É por esta altura que fazemos balanços e damos carta verde às mudanças que nos podem levar onde queremos. O Ano Novo é para quase todos nós uma oportunidade para largar o passado e desenhar o futuro que queremos, mais luminoso, mais satisfatório, mais … ou melhor.

Provavelmente isto é verdade para si. Como também sabe, por experiência ou por suspeita, que as decisões de ano novo estão votadas ao cesto dos papeis, à gaveta das “boas intenções para talvez um dia realizar” ou ao arquivo das ideias estapafúrdias. A verdade é que 23% destas boas intenções quebram na 1ª semana e 45% não chegam ao fim do mês. 

Para que seja um dos qualificados a vencer a estatística e a dobrar o cabo da intenção, ofereço-lhe uma ajuda; um dos exercícios de coaching que uso nas sessões de orientação. Peça-o pelo email ca@imperioperfeito.com .
Bom ano!

ONDE DEIXEI A NAVE?

A semana até pode ser atribulada … corre, corre … ufa, ufa … quase, quase … mas faça-se um favor: arranje tempo para si.
10 minutos ou 10 horas, todos os dias ou só um dia, ou o tempo que quiser, já que bem vistas as coisas não há receitas universais. A liberdade é toda sua… (ui, a responsabilidade da autonomia) e o que importa é o uso que lhe dá… ao tempo, quero dizer ;)


Use esse tempo para recarregar baterias, para se inspirar, para “viajar”,  para separar o que é importante do assessório, para elevar o pensamento acima dos pequenos nadas quotidianos, para fazer escolhas claras, para se premiar pelas pequenas grandes conquistas, para se desintoxicar, para se enraizar, para arrumar a gaveta, para se melhorar, para se permitir existir.


Se é verdade que quem não arranja tempo para a saúde, acaba forçosamente por arranjar tempo para a doença, quem não arranja tempo para si, acaba forçosamente por arranjar tempo para se achar.

O QUE TIVE E AGORA ME FALTA

Falta-nos o punhal brilhantíssimo
Para liquidar esta vida de conformismo
De rotina sem ambição.
Nicolau Santos

Hoje usei estas palavras do Nicolau Santos, homem brilhante que muito prezo, para enquadrar aquilo que o meu cliente estava a sentir e a tentar verbalizar.

Quem me procura, quer uma de duas coisas: de arrumar a vida ou do sentido para a sua vida. Arrumar, descobrir ou recomeçar de novo (!) são palavras chave quase sempre presentes na primeira sessão de trabalho. Por insatisfação ou por saturação, querem um sentir de vida diferente, um pulsar que em tempos tiveram e agora lhes falta.

Ambicionam resolver questões muito concretas; a escolha entre esta ou aquela situação/pessoa, quando desempregados o regresso ao mercado de trabalho e quando empregados, retomar o gosto e a paixão pela profissão.

Acho que o trabalho que fazemos usa esse punhal brilhante; onde aquilo que pesa, complica e asfixia é  cirurgicamente removido, para que a vida possa fluir com sentido.

O homem mais feliz

“O bem estar não é apenas uma mera sensação de prazer. É um sentimento profundo de serenidade e realização, um estado que na verdade permeia e sustenta todos os estados emocionais, e todas as alegrias e tristezas que cruzam o nosso caminho.”


Nesta palestra, Matthieu Ricard fala-nos sobre o poder da mente em accionar o antídoto natural capaz de desfazer as emoções que provocam mal estar. É um recurso ao dispor de qualquer um, e que produz efeitos na proporção directa do nosso investimento. Como tudo na vida.


Uma palavra final para os consumidores-info-snack; aqueles que digerem informação curta e telegráfica porque não há tempo nem capacidade de concentração para mais ou porque há sempre algo na sua vida a arder em estado de emergência. É provável que se torçam com a duração da palestra. Sugiro que escolham o melhor momento do dia ou da semana para dedicarem 21 minutos da vossa completa atenção.